Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para busca 3 Ir para rodapé 4 Acessibilidade 5 Alto contraste 6

---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?

administração
Jardinópolis decreta situação de emergência

Publicado em 20/11/2020 às 09:25 - Atualizado em 20/11/2020 às 10:11


Créditos: Divulgação Baixar Imagem

O Governo Municipal de Jardinópolis decretou reconhecimento de situação de emergência nessa quinta-feira, dia 19 de novembro. O município sofre um processo de estiagem, com falta de água potável e prejuízos econômicos estimados em mais de R$ 9,9 milhões.

Conforme dados da Defesa Civil Municipal, nos últimos 12 meses, choveu 66,5% da média esperada e 17% do previsto para os meses de setembro, outubro e a primeira quinzena de novembro de 2020. Com a queda acentuada no volume de chuva, 23 propriedades rurais foram atendidas com o transporte de água para o consumo humano e 19 propriedades receberam água para o consumo de animais.

Segundo um levantamento feito pela Secretaria Municipal de Assistência Social, 92 pessoas sofreram danos humanos pela estiagem, é o equivalente a 6% da população do município. Este grupo de pessoas sofre com a falta de água potável para o consumo humano e animal, redução de produtividade rural e foi constatado um abatimento psicológico nos membros familiares.

A Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) constatou perdas nas principais atividades agrícolas do município. Os danos da estiagem afetam o movimento econômico, com redução em 12% na produção de leite, 60% de milho silagem, 60% no milho de grão e 10% na safra de soja. Os dados negativos agravam a economia local, já abatida com os prejuízos causados pela pandemia do Coronavírus. Em reais, estimasse um prejuízo superior a R$ 9.934.500,00 aos produtores rurais.

O agente de Defesa Civil Municipal Edson Maria orienta as famílias do interior e da cidade para controlar o uso da água, com economia e sem desperdício. “Para os próximos dias não há perspectiva de chuvas acima da média, daí a necessidade de continuarmos zelando pela água que ainda tem nas fontes e nos córregos”, constata.

Crédito do texto: Jornalista Idiomar Tessaro